Como a arquitetura moderna brasileira influenciou o mundo

A arquitetura brasileira passou por diversas fases desde a colonial até a contemporânea —, mas foi no modernismo que surgiu um dos nomes mais famosos do mundo nessa área. O carioca Oscar Ribeiro de Almeida de Niemeyer Soares brilhou com as suas inovações, colocando a estética e a beleza acima do funcionalismo e criando alguns dos mais belos edifícios em diversos países. Mas, além dos seus projetos, ficaram os seus ensinamentos — e milhares de profissionais que utilizam as suas referências até hoje.

Quer saber um pouco mais sobre esse movimento e o que ele trouxe, não apenas para o Brasil, mas para o planeta? Nós, da Censi Fisa, vamos contar a você como a arquitetura moderna brasileira influenciou o mundo!

 

O modernismo brasileiro

 

Modernismo
Arquiteto Oscar Niemeyer.

 

O movimento que deu origem à arquitetura moderna brasileira teve seu auge entre 1930 e 1950, trazendo enormes transformações na forma de pensar e fazer projetos arquitetônicos.

 

Modernismo
Congresso Nacional, em Brasília.

 

Um dos exemplos mais icônicos do estilo é Brasília. Completamente planejada, a capital do país é um marco modernista. Explorando as formas possibilitadas pelo concreto aramado, Niemeyer projetou o Palácio da Alvorada, o Palácio do Planalto, o Congresso Nacional, a Catedral de Brasília, os prédios dos Ministérios e os edifícios residenciais e comerciais da nova capital em poucos meses.

 

Modernismo
Museu de Arte de São Paulo (MASP), por Lina Bo Bardi.

 

À época, grandes nomes da área trabalhavam em estreita colaboração, como foi o caso de Lúcio Costa e Oscar Niemeyer — que, juntos, idealizaram Brasília — bem como Burle Marx, cujos projetos paisagísticos se integraram a diversas obras da arquitetura modernista brasileira, idealizadas por outros arquitetos. Outra personalidade que marcou o movimento foi Lina Bo Bardi, que projetou o icônico Museu de Arte de São Paulo (MASP).

 

Mundo afora

 

Modernismo
Sede da Mondadori, de Niemeyer, em Milão, Itália.

 

A cara do modernismo brasileiro é Niemeyer, que projetou mais de 600 obras ao redor do mundo.

 

Modernismo
Museu Oscar Niemeyer (MON), em Curitiba.

 

Falecido em 2012, sua memória continua viva nos brilhantes profissionais que tomam seus trabalhos como referência. Um deles é o paulistano Ruy Ohtake, que assina o Brasília Shopping e leva a marca do carioca para além de Brasília. Ohtake usa as curvas e a plasticidade em edifícios como a Embaixada do Brasil em Tóquio, entre outros.

 

Modernismo
Embaixada do Brasil em Tóquio, no Japão, por Ohtake.

 

A iraniana Zaha Hadid também se inspira no brasileiro ao explorar formas curvas, admitindo ser fã de suas criações. Hadid descreve Brasília como um trabalho muito abstrato e, para ela, Niemeyer é uma mutação do modernismo que deu um passo importante para o Brasil. Ourossoff, crítico americano, também cita o californiano John Lautner e o italiano Gio Ponti como discípulos de Oscar.

 

Modernismo
Centro Heydar Aliyev em Baku, Azerbaijão, por Hadid.

 

Gostou de saber mais sobre esse movimento marcante da arquitetura brasileira? Fique de olho aqui no blog para saber sobre as maiores novidades e inovações da área!